And the Oscar goes to…

Tá, eu sei.
Uma semana de atraso.
Mas só agora consegui assistir todos os filmes premiados e, cinéfila que sou, nao podia deixar de dar minhas impressões sobre o maior prêmio do cinema mundial, como costumo fazer a cada ano.
Não que a minha opinião seja relevante, mas adoro falar sobre diferentes histórias, lindas cenas e bons personagens.
E é exatamente disso que se trata as Aventuras de Pi. Com imagens belíssimas [não foi atoa que ganhou melhor fotografia e efeitos visuais], conta a história de um jovem que perde tudo num naufrágio [pais, irmãos e o bem mais precioso da família: animais de um zoológico] e, a partir daí, passa incontáveis dias e noites tentando sobreviver em um bote salva-vidas, junto a um tigre bengala. E a história se resume a isso, mas não deixa de ser extremamente linda.
O mesmo acontece em Amour: duas densas horas de filme dentro da casa de dois idosos, que tem seu amor testado dia após dia pelo agravamento da doença da mulher [que por sinal tem uma atuação brilhante e, pra mim, merecia o Oscar de melhor atriz].

Angustiante também a história de Indomável Sonhadora, uma menina de seis anos que luta pela sobrevivência ao lado do pai doente, em comunidade miserável isolada às margens de um rio. Porém, ao contrário de Amour, que é de partir esmigalhar o coração, Indomável Sonhadora traz um sentimento de esperança inacreditável nos olhinhos da pequena atriz Quvenzhané Wallis.

E por falar em esperança, é isso que move o personagem Pat em O lado bom da vida. Depois de um surto ao pegar a esposa o traindo, ele tenta incansavelmente reconquistar a mulher, enquanto vai percebendo que o amor e o equilíbrio que tanto busca estão mais próximos do que imagina.
Equilíbrio, aliás, é o que mais demonstra ter o personagem de Daniel Day-Lewis em Lincoln. Enfrentando a guerra Civil norte-americana, o presidente travava ainda a luta pela aprovação da emenda que acabava com a escravidão dos Estados Unidos. Tendo ele todos os holofotes voltados pela sua incrível atuação.
Também falando sobre escravidão, mas de uma forma bem mais escrachada, Django rende boas risadas e muito sangue ao estilo bem Tarantino. A fotografia também é excelente e o roteiro te prende durante todo o tempo.
Já o melhor filme, Argo, também mostra a violência, mas de uma forma muito real através da guerra entre EUA e Irã. Ben Affleck, no papel do agente Tony Mendez, arma um plano de criar um filme falso para conseguir resgatar diplomatas americanos refugiados na casa de um embaixador canadense. O filme mistura imagens reais dos protestos no país e é uma grande recostrução desse período histórico.
Por último, tenho que falar de Os Miseráveis, que me encantou demais. Sou daquelas que assistia assiste aos filmes da Disney e adora um musical. E o fato de o filme ter todos os diálogos cantados não me incomodou em nada, pelo contrário, me fazia arrepiar a cada nova cena. Principalmente levando-se em consideração que todos os atores cantavam “ao vivo” durante a gravação. Portanto, termino o post com esse vídeo [desculpem pela qualidade, não conesgui achar um melhor] do elenco do filme interpretando a canção ‘I dreamed a dream’. É ou não é de se emocionar?!

Poderá também gostar de:

Deixe um comentário

11 Comentários em "Livro: Eu compro, sim! Mas a culpa é dos Hormônios"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
Renata Moreira
Visitante

Preciso ler esse livro urgentemente, rsrsr

Camila Kellen
Visitante

Que coisa louca essa do supermercado,adorei \o
E ó, 1 centavo faz toda diferença. Tem que ser 14,99
http://www.iamcamilakellen.blogspot.com

Carol Garcia
Visitante

Adorei a indicação literaria Talita. Esses livros de ajuda e tal, de conscientização, parecem bem legais, e quero muito começar a ler livros assim. Quem sabe esse nao seja o primeiro!

Beijao

http://jeitodemulhereolhardemenina.blogspot.com.br/

Lu
Visitante

Que blog mais lindo flor! Adorei!

Carol Corrales
Visitante

Nossa que blog divo Talita, parabéns conquistou uma nova segudora. Adorei o post, pois eu com 16 anos os hormônios de fazer compras estão a mil tudo quero comprar e infelizmente não é tudo que podemos. Adorei mesmo vai me fazer refletir mais na hora de comprar! Beijos muito mais sucesso pra ti!

Pedro Camargo
Visitante

Talita, muito obrigado pela sua recomendação do meu livro. Fico feliz que tenha gostado e que tenha lhe despertado o controle de seus impulsos. Quero dizer que foi uma honra para mim estar no seu blog. Um enorme abraço. Pedro Camargo

Pedro Camargo
Visitante

Talita, muito obrigado pela sua recomendação do meu livro. Fico feliz que tenha gostado e que tenha lhe despertado o controle de seus impulsos. Quero dizer que foi uma honra para mim estar no seu blog. Um enorme abraço. Pedro Camargo

Pedro Camargo
Visitante

Talita, muito obrigado pela sua recomendação do meu livro. Fico feliz que tenha gostado e que tenha lhe despertado o controle de seus impulsos. Quero dizer que foi uma honra para mim estar no seu blog. Um enorme abraço. Pedro Camargo

Nazario de Souza
Visitante

O Pedro Camargo é mestre, ainda vou conhecer esse gênio!!

Anônimo
Visitante

Gostei demais de seu texto.
O modo como você fala de compras, impulso e né
e necessidades reais e imaginárias na aquisição de objetos e roupas me fez parar e analisar a real
o real valor (custo/benefício) da aquisição. Quanto ao livro, pelo que escreveu, achei uma excelente aquisição. Beijos.

trackback

[…] bem grande. São vários os fatores que influenciam essas compras e já falei sobre alguns deles nesse post aqui, sobre o livro “Eu compro sim, a culpa é dos […]

wpDiscuz

A menina da Dieta Fashion. Adora inventar uma moda e falar sobre tudo que pega bem! Juizforana, vinte poucos anos, jornalista, empresária e apaixonada pela vida. Acredita no amor e ele está presente em tudo que faz. Como toda leonina, adora um desafio. Sonha voar por todo mundo e viver sempre aprendendo.