O melhor do Natal

Quando eu era criança, gostava de passar pelas ruas contando quantas casas tinhas luzinhas de Natal. Ficava olhando atentamente e elegendo mentalente quais eram as decorações mais bonitas.

Amava esperar o Papai Noel passar e lutava contra o sono até a chegada da meia noite para poder abrir os presentes de Natal.

Amava ver as pessoas sendo gentis umas com as outras e sendo mais caridosas do que normalmente.

Também amava a ceia e todas as comidas dessa época do ano, das frutas da estação às sobremesas preparadas durante dias para a véspera de Natal.

Mas o que eu mais amava mesmo é ver a família toda reunida, rindo, brincando, se abraçando verdadeiramente e vivendo o momento, sem vontade de ter fim.

E bem, não é bem isso que tenho visto por aí.

Inúmeras vezes comentei com alguém como estava contando os dias para a chegada do Natal e recebia respostas como “nossa, eu não faço questão nenhuma” ou “cruzes, ainda tenho tantos presentes pra comprar” ou “detesto esses eventos que reunem um monte de gente que não gosto”.

Então esse ano, mais do que nunca, fiquei pensando se as pessoas ainda entendem o verdadeiro sentido disso tudo e, realmente, acho que não. Se você sai na rua, consegue ver claramente os olhos perdidos de gente que se preocupa mais com o presente do que com a pessoa presenteada, vai a um shopping e quase é derrubado pela pressa de alguém, entra no carro e fica assustado com a intransigência e falta de paciência das pessoas e aí se pergunta: por que?

Esse fim de ano quase não fiz compras, evitei tumulto e a correria do centro da cidade, não olhei vitrines, não me preocupei com presentes, não procurei por decorações de Natal (até porque, alguém reparou que elas praticamente não existiram?). Também entrei pouco na internet, fiquei meio ausente das redes sociais, me dei ao luxo de deixar o trabalho para segundo plano. Mas o que eu mais fiz, de fato, foi ficar com pessoas que amo, aproveitar cada segundo que podia e me dedicar exclusivamente a esses momentos. E sabe como eu me sinto? Completamente preenchida pelo Espírito Natalino.

Então, se eu pudesse dar um conselho pra você, que tirou uns minutinhos pra ler esse texto às vésperas do Natal, é que você seja você de verdade, procure pessoas que te fazem bem e faça o bem a outras pessoas, se preocupe verdadeiramente com o que elas sentem e não com o presente que elas vão ganhar e diga a elas, sinceramente, o quanto as ama. Se doar verdadeiramente, é o maior presente de Natal que alguém pode dar.

Poderá também gostar de:

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz

A menina da Dieta Fashion. Adora inventar uma moda e falar sobre tudo que pega bem! Juizforana, vinte poucos anos, jornalista, empresária e apaixonada pela vida. Acredita no amor e ele está presente em tudo que faz. Como toda leonina, adora um desafio. Sonha voar por todo mundo e viver sempre aprendendo.