Sim, vista quem você é!

Como eu disse neste post aqui, tava doida pra ler o livro “Vista quem você é” das meninas do Oficina de Estilo. Sempre acompanhei o trabalho delas e nos últimos meses, tenho repetido a frase “substitua consumo por autoestima” diversas vezes.
Eis que nesse feriado eu me dediquei a colocar as leituras (e os pensamentos) em dia e o primeiro da lista foi ele.

Uma leitura super rápida mas que pode render várias idas e vindas.
O livro é quase um passo a passo para você refletir sobre quem você é, quem você quer ser e como a roupa pode te ajudar nesse processo.
Em todos os capítulos elas propõem exercícios para você desenvolver o seu estilo pessoal, agregando ao seu visual a sua história, seu dia a dia e a imagem que você quer passar, porque sim, a roupa é a primeira coisa que as pessoas vêem sobre a nossa personalidade e se você quer estar bem com o mundo, você tem que estar bem com você mesma!

Durante todo o livro elas reforçam isso: se descobrir, se aceitar, se sentir bem. E elas começam o livro justamente questionando porque tanta gente se veste igual, se todo mundo é tão diferente e há tanta informação disponível por aí e mais do que nunca a moda permite ser quem a gente quiser.
O negócio é que, na maioria das vezes, vestir é um hábito tão comum que a gente coloca no piloto automático e quando tem uma nova necessidade, compra sem pensar e quando precisa, escolhe a primeira coisa que vê e combina as peças da forma mais comum que pode.
Aí elas citam uma frase do Hitchcock que é muito legal: “limitação aumenta a criatividade”. Porque, tipo, quando se pode tudo, não se exercita a criatividade de burlar regras, não se pensa em jeitos diferentes e novas possibilidades.
E é exatamente isso que aconteceu no meu “um ano sem compras”: só quando eu parei de buscar peças novas que eu comecei a perceber a infinidade de coisas que eu podia fazer com as peças “velhas”!
E no livro, elas tocam MUITO na tecla de que quantidade não é qualidade. E que diversas clientes atendidas por elas reclamavam do mesmo “mal”: um guarda-roupa cheio de coisas, mas a sensação constante de não ter nada para vestir. E aí elas vão dando várias dicas ao longo do livro de como otimizar o guarda-roupa, fazer escolhas acertadas e compras que realmente façam a diferença e não o prejuízo, como acontece com muita gente por aí!

Pra terminar, selecionei um trechinho do livro, que também tá disponível nesse post aqui:
“Olha, a gente precisa se concentrar em ‘ser’ e não em ‘ter’. Diz o Saramago, dono do título do post, que ‘ser’ dá muito trabalho porque demanda pensamento, dúvida, perguntar-se sobre si mesmo e mais. Pra gente ser alguém bacana, pra ser HUMANO mesmo, a gente tem que olhar pra dentro, absorver o mundo e devolver já em forma de reflexão, já com opinião. Independente das compras que a gente faz ou do que a gente veste (tem!). Se não for assim a gente é quem passa o cartão de crédito e só. Tudo bem que a gente vive num mundo que funciona mais com consumidores do que com seres humanos, mas consciência de si mesmo é questão individual, cada um cuida de ser a melhor criatura que pode ser – porque né, a gente quer o melhor da vida.” s2

Poderá também gostar de:

Deixe um comentário

11 Comentários em "Livro: Eu compro, sim! Mas a culpa é dos Hormônios"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
Renata Moreira
Visitante

Preciso ler esse livro urgentemente, rsrsr

Camila Kellen
Visitante

Que coisa louca essa do supermercado,adorei \o
E ó, 1 centavo faz toda diferença. Tem que ser 14,99
http://www.iamcamilakellen.blogspot.com

Carol Garcia
Visitante

Adorei a indicação literaria Talita. Esses livros de ajuda e tal, de conscientização, parecem bem legais, e quero muito começar a ler livros assim. Quem sabe esse nao seja o primeiro!

Beijao

http://jeitodemulhereolhardemenina.blogspot.com.br/

Lu
Visitante

Que blog mais lindo flor! Adorei!

Carol Corrales
Visitante

Nossa que blog divo Talita, parabéns conquistou uma nova segudora. Adorei o post, pois eu com 16 anos os hormônios de fazer compras estão a mil tudo quero comprar e infelizmente não é tudo que podemos. Adorei mesmo vai me fazer refletir mais na hora de comprar! Beijos muito mais sucesso pra ti!

Pedro Camargo
Visitante

Talita, muito obrigado pela sua recomendação do meu livro. Fico feliz que tenha gostado e que tenha lhe despertado o controle de seus impulsos. Quero dizer que foi uma honra para mim estar no seu blog. Um enorme abraço. Pedro Camargo

Pedro Camargo
Visitante

Talita, muito obrigado pela sua recomendação do meu livro. Fico feliz que tenha gostado e que tenha lhe despertado o controle de seus impulsos. Quero dizer que foi uma honra para mim estar no seu blog. Um enorme abraço. Pedro Camargo

Pedro Camargo
Visitante

Talita, muito obrigado pela sua recomendação do meu livro. Fico feliz que tenha gostado e que tenha lhe despertado o controle de seus impulsos. Quero dizer que foi uma honra para mim estar no seu blog. Um enorme abraço. Pedro Camargo

Nazario de Souza
Visitante

O Pedro Camargo é mestre, ainda vou conhecer esse gênio!!

Anônimo
Visitante

Gostei demais de seu texto.
O modo como você fala de compras, impulso e né
e necessidades reais e imaginárias na aquisição de objetos e roupas me fez parar e analisar a real
o real valor (custo/benefício) da aquisição. Quanto ao livro, pelo que escreveu, achei uma excelente aquisição. Beijos.

trackback

[…] bem grande. São vários os fatores que influenciam essas compras e já falei sobre alguns deles nesse post aqui, sobre o livro “Eu compro sim, a culpa é dos […]

wpDiscuz

A menina da Dieta Fashion. Adora inventar uma moda e falar sobre tudo que pega bem! Juizforana, vinte poucos anos, jornalista, empresária e apaixonada pela vida. Acredita no amor e ele está presente em tudo que faz. Como toda leonina, adora um desafio. Sonha voar por todo mundo e viver sempre aprendendo.